O seu dia

Parabéns!?
Por quê?
Pergunta que gostaria de fazer.
Não há motivo
ou pelo menos não deveria.

Queria ver a expressão
se respondesse dessa forma.
Qual é a grande ocasião, afinal?
Aponte-me um ato de grandeza,
ilustre um excerto em que fui nobre
que me mostrei um ser humano diferenciado;
diga por que sou digno de
uma palavra que precisa ser abolida do
dicionário.

E ainda me vejo em situação incômoda.
Não bastassem os dizeres vazios como
a alma de quem os declama,
eles têm a ousadia de trazer agrados!
Logo a mim,
fraude ignóbil que
se esquece do detalhe mais importante.
Não considero especial porque não o é.

Sei que (às vezes) é de coração,
mas não me dê;
saiba que quando for o seu dia
estarei muito ocupado com coisa nenhuma
e vai passar.
Não vale nada, não vou notar.
É tão difícil entender?
Se me respeita, sai
se gosta de mim, não vem.

É isso:
daqui a algumas horas
vou vestir o amarelo.
Esforço vil para mostrar
que sim, que aproveito e me deleito.
A vontade real são as linhas que passaram.
Valeria a pena;
faltaria coragem.
Sou falso, eles também.

Um adulto;
esqueça a idade.
O espírito envelheceu
e não teve culpa.
Ninguém nunca tem.
Triste na essência, feliz na aparência.
Triste e solitário como ela falou.

16/05 – 12:33 a.m.

Postado por Mateus Campos

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s