Rúbia

A pretensão, Rúbia, daqueles que me precederam
terei jamais. Minha obra,
se tais rabiscos merecem qual denominação,
servir-te-ão para primavera perenizar.
Tu, que dos céus infortúnios e tormentas
recebeste tal dilúvio divino e desditoso,
já, em vida, tua parte sofreste.
Que o papel dure, assim, tanto quanto
os deuses ainda te dão no mundo;
que pereça, tão logo te despedes.

22/08 – 6:20 p.m.

***

Impossível não assistir a uma aula de Clássicos e não se inspirar com Catulo, Horácio e outros grandes nomes. Simples assim.

Postado por Mateus Campos

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s