Pois que é noite

Pois que é noite; aqui dentro permanece.
Querem guardar o sol do céu para si.
As estrelas, beleza incontestável,
já não podem ser nada. Nada podem
porque nada querem e o não são.

Ao redor é a sombra.
Um contorno, silhueta fraca,
esguia.
Pouca.
Que atraiu a luz. A luz, que desfez
ele ela sem o saber.
Ou antes
sabendo-o ignorando-a cortou-lhe podou-lhe os galhos.

Que então alguém pergunte:
Por que há noite?
Porque à noite.

Ser tão só não é incomum.
O assim é o fato final.
Mas o caminho há de ser uma vereda fértil, florida, extensa e que [esconde o porvir de lá.
É que quando se vê se foi.
E o cosmo, vastidão aparente,
é verdadeiramente pó.

Postado por Mateus Campos

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s