Atchim

Me fizerdibus
para mim
assim
atchim
e eu
Te amardibus.

Postado por Mateus Campos

Anúncios

Eis Inês

A embriaguez de Inês
talvez seja o motivo
de tamanha insensatez.

Tomou uma, duas ou três?
E ofendeu outra vez quem nada fez.
Em sua desfaçatez acreditou
que falava japonês, chinês…

Tanto mais o refez que foi
parar no xadrez
às seis.

No fim do mês, disse:
– Admito a estupidez
não queria magoar ela, ele
nem vocês.

Postado por Mateus Campos

Testamento

Fico pensando o que poderia ensinar
para alguém em um poema.
(Como se a poesia tivesse que ter uma moral…)
Eu, que praticamente não vivi e não tenho conflitos
o que teria de lição para compartilhar?
Alguém que passa bem, sem preocupações
que me fazem cair o cabelo, tão vasto e despenteado
fico pensando nos conselhos que daria a amigos
caso viessem me pedir.
O pior é que eles o fazem, e falo uma meia dúzia
de veja bens nos quais nem eu acredito
mas, enfim, amigo é amigo.

Fico pensando se minha palavra provoca alguma diferença
naqueles que prezo de verdade, poucos, mas honestos
camaradas, amados.
Que direito tenho de opinar sobre algo que me é alheio?
Que capacidades pode ter apenas um que é mais um?
Que tenho a escrever que me supere na curta história
de uma vida e que sobressaia à minha forma física?
E o que pensariam os meus se morresse sem ter
deixado um legado à humanidade, tão necessitada?
Afinal, não ajudarei em nada?!
Um livro, uma frase, uma palavra, um suspiro?
Meu nome jamais será citado como tendo sido um dos grandes?
Passarei sendo passarão ou passarinho?
Isso realmente me incomoda.

Incomodava
porque agora resolvi fazer o que faço:
escrevo sobre coisa nenhuma.

Postado por Mateus Campos

Derradeiro

Por ser o último nunca o primeiro
tentam iludir que aquele será este.
Lá é cá, promessa de dó para si.
Mas vem o acontecimento que faz tudo parar.
Alguém fecha a cortina,
desliga o som
silencia.

Deixar de ser
quem o que não foi.
Uma voz não traz conforto, não
apraz se não for
a voz.
A vós, a sós, a nós – os nós da língua.
Só que sempre é o silêncio.

No fundo, na superfície
é o medo.
Puro, singular, este sim o primeiro.
Primeiro e último no calar do mundo.

Postado por Mateus Campos