O azul, o amarelo e o vermelho

A noite que não terminou
a noite que jamais vai ter fim para nós dois
o caminho que certamente continua.
A embriaguez quer me dizer que nada foi
mas seu toque, gosto e cheiro são a prova
de que você é real. Aconteceu.
Aconteceu quando era para ser.
Não antes, ou depois.
No momento exato.

Pois a minha mão continua
repousada sobre a sua.
Toda a flor terá o seu aroma.
Todo o mar refletirá a sua imagem.
Tudo eternizado pelos beijos mais macios.

Se o caminho de volta levasse
à minha morte e me perguntassem
se conheci a felicidade, diria que
sim, e que ela atende por um nome.
O seu nome.

A espontaneidade pode ser o maior defeito
e, no entanto, nesse momento vejo como
a maior qualidade.

O olhar e o sorriso que vieram há tempos
me abraçaram na noite que não terminou.
Quero deitar sobre você, ver a chuva
e pensar que ela também é um presente
da noite que não terminou.
Porque a partir de agora será sempre noite.
A nossa noite.

***

Mateus Campos jamais poderia se esquecer. E muito menos Gustavo Hitzschky.

Postado por Mateus Campos

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s