Sexta, 28

Viver é muito perigoso; sonhar também. Tristes o vazio e o silêncio que vêm depois de um mundo que poderia ter sido. Penso na minha vida e nas muitas outras que poderiam ter sido. E fico triste mesmo. Não pelas escolhas que fiz, mas por não poder experimentar, ainda que por poucos minutos, os outros caminhos.

– do “Diário”

A flor

Ainda que tenha espinhos
esteja à distância
e não se saiba o que
vai acontecer com ela.

Que por vezes machuque,
reflexo de quem a amamentou.
Que tenha um ciclo curto,
espelho de quem a acaricia.

Devagar se cultiva a flor.