Pontuação

Abra parênteses feche aspas
Ponha vírgula parágrafo travessão
Só não deixe de escrever
Ponto final dois pontos
A minha voz numa exclamação
O seu olhar com interrogação
As minhas reticências
Depois do seu perdão
Tudo isso forma o nosso texto
O beijo suspenso
Pelo acento cirunflexo
Grave ou agudo não importa
Ainda que eu fique mudo
E você diga que sabe tudo
Na nossa gramática
Não há pontuação

Pedacinho de vida

Na infância, muitas vezes pegamos o ônibus com a nossa mãe. As pessoas se levantam para nos dar o lugar, um apenas, porque ainda podemos ir no colo.

Então começamos a pegar o ônibus sozinhos, ainda criança. Não é tão comum, mas é possível que alguém nos ceda o assento.

Vem a juventude e logo somos adultos. Daí chega a nossa vez de dar lugar para mulheres, crianças, grávidas, idosos. E assim o fazemos.

Agora estamos velhos. Novamente as pessoas se levantam e dizem, “Senhor, sente-se aqui”.

Não adianta querer se afastar demais e ir para bem longe. No descuido, a gente se afasta tanto que sem perceber já está fazendo o caminho de volta.