Charmante

Seu charme era universal porque não dependia de palavras – ele se concentrava nos olhos e no sorriso. Os olhos eram grandes e pareciam atrair toda a luz para eles, de modo que aqueles que o contemplavam, ainda que involuntariamente, sorriam. Não fossem tão doces, o tamanho deles assustaria. O sorriso, ao contrário, era encantador não por ser amplo, mas justamente porque era contido. Ao sorrir, ela nunca mostrava os dentes, e os lábios se limitavam a estender-se lateralmente, formando um arco e provocando algumas dobrinhas (que não chegavam a ser covinhas) nas bochechas.

Toda a sua figura pequena também se destacava quando dançava nas festas. Não porque fazia gestos majestosos ou usava roupas que chamavam a atenção, mas porque havia um detalhe encantador que poucos reparavam: as mãos. Quando ela girava, tinha o costume de levar uma das mãozinhas em direção ao rosto, como se fosse apoiar o queixo, porém nunca o fazia. A mãozinha apenas se aproximava do rosto, e nesse momento ela fitava os olhos daquele com quem dançava e abria o seu meio sorriso. Isso bastava para fazer com que os jovens perdessem o ritmo, caso tivessem a sensibilidade de notar esses detalhes. Ao final de cada música, invariavelmente ela agradecia com um “obrigada” sincero, dava as costas e saía. Muitos rapazes demoravam alguns segundos para perceber que a canção já tinha acabado e que ela não estava mais ali.

Anúncios

Um comentário sobre “Charmante

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s