Tal

Devo ter herdado também a melancolia do meu pai, que ao se despedir sempre tinha um olhar triste – não sei se como quem pede desculpas por tudo que fez ou como se aquela fosse a última vez que nos víamos. Não me lembro de como foi realmente a última vez que nos vimos, mas sou capaz de apostar que o olhar era o mesmo.

– do “Diário”

Sexta, 28

Viver é muito perigoso; sonhar também. Tristes o vazio e o silêncio que vêm depois de um mundo que poderia ter sido. Penso na minha vida e nas muitas outras que poderiam ter sido. E fico triste mesmo. Não pelas escolhas que fiz, mas por não poder experimentar, ainda que por poucos minutos, os outros caminhos.

– do “Diário”

Segunda, 20

Vi uma senhora na calçada correndo atrás de uns pombos. Ela levava uma ou duas sacolas em um dos braços. Não consegui identificar se era louca ou não. Corria atrás dos pombos com uma das mãos esticadas como se lhes quisesse oferecer algo, apesar de não haver nada nas mãos para oferecer. Depois de perceber que os pombos sempre fugiam quando ela se aproximava, desistiu e seguiu o seu caminho. Presenciei a cena enquanto o semáforo estava vermelho. Quando ele abriu, também eu segui o meu caminho.

– do “Diário”

Mateus Campos