Consolo

alguém do outro lado da rua morreu
e um parente seu vem em minha direção;
eu o olho e lhe dou silêncio…

Postado por Mateus Campos

Anúncios

Derradeiro

Por ser o último nunca o primeiro
tentam iludir que aquele será este.
Lá é cá, promessa de dó para si.
Mas vem o acontecimento que faz tudo parar.
Alguém fecha a cortina,
desliga o som
silencia.

Deixar de ser
quem o que não foi.
Uma voz não traz conforto, não
apraz se não for
a voz.
A vós, a sós, a nós – os nós da língua.
Só que sempre é o silêncio.

No fundo, na superfície
é o medo.
Puro, singular, este sim o primeiro.
Primeiro e último no calar do mundo.

Postado por Mateus Campos

O silêncio à palavra

Melhor do que as aulas que tive na faculdade sobre o dramaturgo, novelista e poeta irlandês Samuel Beckett é ler a sua obra. Infelizmente, até hoje só li uma de suas peças, Fim de Partida, um livro enxuto e permeado por pausas e silêncios – fico imagindando como seria assistir a um espetáculo assim em que predomina a ausência de sons.

Eram as aulas nas quais eu mais tinha atenção, já que o professor sempre escolhia bons livros e falava sobre aquilo de maneira apaixonada e cativante. Ainda tenho as anotações, e com certeza falarei mais de Beckett sempre que possível aqui no blog.

Ele retrata a sociedade pós-moderna horrorizada por duas guerras mundiais, mutilada e sem perspectivas para o futuro. Apesar disso, a destruição de um reino sempre traz em si uma semente para a construção de algo novo, por mais adversa que a situação possa se apresentar. Como explicar os diálogos rápidos, secos e, à primeira vista, sem significado? Beckett achava que a palavra não poderia exprimir a verdade, e destaco abaixo uma das intervenções que meu professor teve durante as aulas.

A verdade está no silêncio, além do mundo das palavras.

Postarei trechos maiores do livro num futuro próximo, mas por enquanto deixo apenas uma das falas que me marcaram em Fim de Partida.

A gente chora, chora por nada, para não rir, e aos poucos vai se sentindo triste de verdade.

Postado por Mateus Campos